Contactos

MIMO PET ALTA COSTURA PARA ANIMAIS.

  • Pessoa de contato: Lu torquatto Lu
  • Telefone: +55 (22) 98186-60-45, watzap
  • +55 (22) 99903-97-12, vivo
  • +55 (21) 98634-40-84, oi
  • Endereço postal: PRAÇA OSCAR MACEDO SOARES.-CENTRO, saquarema, Rio de Janeiro, 28990000, Brasil

Renovações do site
clcinha higienica

clcinha higienica

``Seguimos esse caminho SUSTENTÁVEL, principalmente através do uso de tecidos ecológicos e pelo reaproveitamento de resíduos têxteis provenientes das indústrias
disponível
R$19
  • R$6,30 com encomenda a partir de 50 un.
Encomendar
Condições de pagamento e frete
Informação de contato
  • Pessoa de contato: Lu torquatto Lu
  • Telefone: +55 (22) 98186-60-45, watzap
  • +55 (22) 99903-97-12, vivo
  • +55 (21) 98634-40-84, oi
  • Endereço postal: PRAÇA OSCAR MACEDO SOARES.-CENTRO, saquarema, Rio de Janeiro, 28990000, Brasil
Descrição detalhada de um produto

``Seguimos esse caminho SUSTENTÁVEL, principalmente através do uso de tecidos ecológicos e pelo reaproveitamento de resíduos têxteis provenientes das indústrias. Eu mesmo na MIMO PET faço esse aproveitamento trasformando roupas usadas em roupas para em ALTA COSTURA PARA ANIMAIS. Hoje, a reciclagem de tecidos e a MODA mudaram muito também com o reaproveitamento de roupas usadas. Exemplos de iniciativas como essas têm crescido entre profissionais guiados pelo mesmo valor: SUSTENTABILIDADE.

http://www.facebook.com/lucianatorquatto?ref=tn_tnmn#!/pages/MIMO-PETROUPAS-PARA-ANIMAIS-COM-AROMATERAPIA/196871153703846´´

O site mostra como é possível construir o belo, essencial à moda, considerando a sustentabilidade, essencial à manutenção da vida, a partir de uma visão sistêmica da cadeia produtiva do vestuário, dos princípios de avaliação do ciclo de vida do produto e das reflexões sobre as conexões entre a moda, o vestir e a consciência.
Apresenta os conceitos do Vestir Consciente com base nos fundamentos do design sustentável, nas atualidades do mercado e nas experiências , seguindo as diretrizes da metodologia desenvolvida .
``A criatividade a favor da nova era da moda sustentável´´
10 dicas para deixar o seu armário “verde”
1. Planeje antes de comprar
Abandone as compras por impulso. Analise bem se aquela roupa ou acessório servem para você ou se é só uma vontade passageira. Assim você evita perder dinheiro e espaço em seu armário.
2. Ame suas roupas
Cuide-as com carinho. ‘Acidentes’ domésticos provocam pequenos desastres como manchas ou tecidos queimados. Se cair um botão ou tiver que ajustar um pouco, procure uma costureira e veja se há como reparar. Para os mais empolgados, é uma boa hora para aprender a lidar com linhas e agulhas.
3. Evite lavagem a seco
Máquinas de lavagem a seco usam tetrachloroethylene, uma substância cancerígena. Procure lavanderias que trabalhem com “wet cleaning” ou CO2 líquido. Muitas peças que antes eram lavadas a seco já podem ser lavadas a mão, especialmente as de seda, lã e linho. Fique de olho nas etiquetas. Se você preferir recorte as orientações e cole em um pequeno caderno ou guarde em uma caixinha para conferir quando precisar.
4. Compre peças antigas ou usadas
Use a criatividade e tenha um estilo próprio. Busque em bazares, feirinhas, brechós, troca de roupas entre amigas. Vale tudo. Se tiver roupas ‘herdadas’ que possam ser interessantes, aposte. Acessórios antigos sempre funcionam Tenha cuidado para ver se tudo está ok. Peças antigas ou usadas podem estar danificada pelo tempo ou pelo uso. Dependendo, uma reforma resolve e ainda sobra espaço para uma boa customizada.
5. Lave bem
Tenha cuidado para não desperdiçar energia. Junte bastante roupa antes de lavar, para economizar na água, luz e sabão. Procure usar a temperatura mais baixa possível. Opte por alternativas naturais na remoção de manchas nos tecidos e produtos que sejam livre de fosfato e biodegradáveis. Se estiver procurando por uma lavadora nova, verifique se possui selo de economia energética ( no Brasil, do Inmetro). A mesma dica vale para os ferros elétricos.
6. Vista orgânicos e tecidos com material reaproveitado
Os tecidos orgânicos e os desenvolvidos com materiais reaproveitados chegaram para ficar. Na opção do orgânico é possível escolher desde o algodão até a seda, certifique-se de que possui selo de autenticação (que identifica se a produção realmente é feita sem agrotóxicos). Os tecidos com materiais reaproveitados como o tecido PET são uma inteligente opção, fomentam o reaproveitamento de materiais como as garrafas pets e agregam ativos ambientais para a peça.
7. Encontre uma nova utilidade
Reciclar não é somente reaproveitar. Seja criativo, inspire-se no mundo a sua volta e aproveite o que já existe para reinventar. A proposta está sendo cada vez mais abraçada por estilistas internacionais – chegando a ser desafio até mesmo para o pessoal do Project Runaway. Observe aquelas roupas e acessórios antigos e descubra potenciais fashion adormecidos. Caso não agrade a idéia, reúna o que não precisa mais e leve a entidades carentes. Se nós não encontramos novidade, outros encontrarão.
8. Investigue as origens
Nesse boom de novos tecidos, desconfie do mote ecológico. Como tudo na vida, o que aparentemente poderia ser a solução, pode ser um problema. Mantenha-se informado, converse com os donos de lojas e das marcas e faça escolhas conscientes.
9. Escolha roupas éticas
Muitas empresas, além de cuidarem da natureza, investem em sustentabilidade e responsabilidade social. Valorize e incentive esse tipo de ação. Procure saber onde ficam as fábricas das empresas que você compra. Muitas multinacionais utilizam abordagens de mercado que incluem maximizar o lucro e deixar de lado preocupações humanitárias, como a luta pelo fim da exploração de mão-de-obra infantil e escravidão (problemas comuns em países latinos, asiáticos e africanos).
10. Não desperdice
Não é porque aquele vestido não está na próxima tendência que ele merece ir pro lixo. Se for algo que de-jeito-nenhum-você-usará-novamente, venda, troque, doe. Há muita gente no mundo precisando de ajuda. Fique informado sobre ONGs e entidades que prestam auxílio a pessoas necessitadas. Colabore com movimentos de apoio a vítimas de catástrofes climáticas (como enchentes e tempestades). É uma maneira de amenizar as conseqüências do aquecimento global e motivar uma mudança.

Todo mundo é questionado sobre o seu passado, qual é a sua formação? Casou-se? Tem filhos? Quais foram suas realizações? Em todos os momentos de sua vida as pessoas querem ter uma referência de sua história pessoal para ter uma idéia de quem você é.

Podemos fazer uma analogia com os produtos que consumimos, eles também tem uma história e passam por diversas etapas de produção e pelas mãos de muitas pessoas antes de chegar a sua casa. É uma longa história mas que infelizmente as vezes se confunde com um filme de terror.

Qual será a história daquele tênis da moda da Nike,Adidas ou de outra grande marca que estampa as maiores celebridades do esporte? Será que a produção e os seus trabalhadores compartilham de todo o glamour do marketing? A resposta é não.

As grandes marcas da moda foram flagradas explorando seus funcionários em situações de escravidão, familias inteiras inclusive crianças trabalhando em estafantes cargas horárias e em péssimas condições.

É algo chocante, parece até uma história de fantasia beirando a conspiração mas as notícias não param de aparecer inclusive aqui no Brasil.

O Escândalo mais recente foi a autuação de R$ 633,67 mil imposta pelo Ministério do Trabalho de São Paulo a rede varejista Marisa após auditores fiscais encontrarem funcionários estrangeiros em condições consideradas análogas à escravidão, conforme reportagem publicada pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

A situação existe, mas oque nós consumidores podemos fazer?

O grande problema reside em ignorarmos a procedência do produto, não colocarmos peso nestes fatos, se as informações não tem peso na decisão do consumidor não irá ter peso para indústria, na prática quem produz simplesmente irá ignorar ou deixar em baixíssima prioridade ações para mudar esta situação degradante.

Acredito que a soluçaõ esta no consumo consciente. Se conseguirmos inserir em nosso dia dia a consciência ao consumir o impacto no mundo será enorme, a mudança de hábito e consequentemente a de valores é a maneira mais duradoura e eficiente para mudar este quadro. Faça, você irá se surpreender como as pessoas ao seu redor irão se inspirar.

Você pode começar a fazer um exercício nesta semana:

Quando for comprar algum produto observe a etiqueta e descubra em que país ele foi fabricado e pense rapidamente qual é a história do produto:

•Como será a produção deste produto?
•Quem fabricou o produto?
•Em qual condição a pessoa fabricou este produto? Será que ela recebe um salário digno para esta função?
Reflita e pesquise na internet os produtos que mais chamaram a atenção ou geraram mais dúvidas, o resultado é muito interessante.Depois da experiência compartilhe conosco aqui no site.

Ao longo da semana irei escrever sobre o Comércio Justo, que é uma idéia que combate e propõe uma mudança no ato de consumir e outras ações positivas que nós como consumidores podemos fazer para que este planeta seja transformado em um lugar mais justo e sustentável

Informação para encomenda
  • Preço: R$19
Categoria do catálogo Negociol.com: Vestuário em Rio de Janeiro
Criado: 23/01/13 12:13
Alterado: 29/06/16 15:16